04/03/20

Oferecendo Feedback Como Um Líder

Muitas vezes é necessário que, como líder ou colega de trabalho, nos deparamos com a difícil tarefa de oferecer um feedback com uma crítica construtiva. Como fazer isto com o tato exigido pela tarefa sem parecer grosseiro é uma dúvida frequente.


É preciso ter o cuidado de passar a mensagem sem exposição desnecessária de quem irá receber o feedback. Ao se utilizar uma linguagem agressiva, existem duas possíveis consequências que podem ocorrer.


A primeira delas é o fato de ocorrer atrito entre as duas pessoas que estão conversando, gerando um mal estar e podendo prejudicar o clima organizacional, no caso de uma empresa.


A segunda consequência é a possibilidade do receptor da mensagem se sentir intimidado, assumir uma posição de defesa e provavelmente não se abrir para analisar sua falha.


Sendo assim, existem algumas técnicas que são empregadas na hora de oferecer um feedback que

podem auxiliar para que se alcance o objetivo proposto.


Uma delas é chamar a atenção para o erro das pessoas de uma forma não muito direta.


Charles Schwab, um investidor e ícone do mercado financeiro, certa vez encontrou alguns de seus

funcionários fumando em local proibido, exatamente abaixo de um aviso que dizia “Proibido Fumar”. Sendo assim, aproximou-se e deu um charuto a cada um deles e disse: “Eu gostaria, rapazes, que vocês fossem fumar estes charutos do lado de fora”.


Com este pequeno gesto de Schwab podemos aprender várias lições. Os empregados se sentiram constrangidos de terem sido pegos infringindo o regulamento e passaram a estimar ainda mais Schwab pois poderiam estar esperando uma bronca que não veio. No lugar, um gesto de oferecer presente e fazer com que se sentissem importantes. Ele ofereceu algo e só depois sugeriu que eles se mudassem de lugar.


Outro exemplo possível é o de uma senhora americana moradora de Rhode Island. A senhora Marge

Jacob estava fazendo uma reforma em sua casa. Logo no primeiro dia de serviço notou que os pedreiros deixaram diversos pedaços de madeira espalhados em seu jardim. Como havia apreciado a qualidade dos serviços prestados, não gostaria de se indispor com a equipe. Sendo assim, esperou que o horário de trabalho terminasse e ela mesma catou os pedaços espalhados e os juntou em uma pequena pilha. No dia seguinte, chamou o responsável e os elogiou pelo serviço e que estava muito satisfeita com a limpeza do jardim. O que ocorreu nos dias seguintes foi que sempre a equipe passou a recolher os restos de madeira, e sempre o responsável passava conferindo.


Ao fazer tais afirmações, a senhora Jacob depositou confiança de que todos eram profissionais e responsáveis suficiente para fazer a limpeza ao fim do expediente. Uma vez suposto isso, eles passaram a se sentir assim.


Com esses exemplos podemos ver duas situações reais que ocorreram e a forma como o feedback foi dado, sem exposição e com inteligência e que trouxeram os resultados esperados. Bem diferente das diversas situações que já presenciamos ou ouvimos falar de quando uma pessoa chegou falando de forma ríspida e o único resultado que obteve foi promover a ira do outro e ter que continuar a conviver com o problema motivo da queixa.


Por isso é importante lembrar: nunca dê um feedback quando estiver emocionalmente alterado! Muitas vezes quando estamos de cabeça quente podemos acabar falando coisas que não deveríamos e/ou nos arrependemos depois.


Caso seja necessário, pare. Respire fundo. Não trate o problema naquele momento. Deixe passar algumas horas ou alguns dias. Mas não deixe que se passe tempo demais, o feedback deve ser responsivo e se demorar muito a pessoa pode nem lembrar mais do ocorrido.


Se precisar, se planeje. Escreva o que irá dizer, a mensagem central que quer passar. Leia e releia para verificar se a mensagem transmitida é a que está sendo mentalizada. Peça a opinião de um terceiro, se necessário.


Pense se você gostaria de receber o feedback que está passando aos outros.


Mas o importante é: não seja direto para chamar a atenção com os erros das pessoas.


E então, o seu próximo feedback será diferente dos últimos?

Fonte: #CSC
Compartilhe: